.
   

INTRODUÇÃO: Inicia-se  a cena: Um adulto(ou adolescente) no papel de um pai

fumante com um papel enrolando simbolizando um cigarro, faz movimentos como

se estivesse fumando; entra em cena um menino representando um filho que

surpreende o pai fumando e alerta-o sobre os males que o cigarro provoca a

saúde e inicia-se um diálogo:

FILHO – Não acredito no que estou  vendo, não é possível Papai!!

O senhor está cansado de ouvir pela televisão, pelo rádio, jornais, revistas, que

o cigarro faz mal à saúde e o senhor ainda não abandonou o cigarro?

No próprio maço  tem um desenho que explica o mal e as doenças que o cigarro

provoca! Há livros que orientam.

Professores nas escolas orientam sobre o mal que o cigarro provoca!

O senhor não liga para isso! Não cuida sua saúde?...

PAI – Olha!... Só estou fumando um cigarrinho e isso não faz mal!...

FILHO – Faz mal sim!... a sua saúde e  o senhor não vai abandonar o vício do

cigarro?

PAI – Qual nada!... O dia que eu quiser, eu paro de uma vez!

FILHO – O senhor já falou isso muitas vezes! Não venha com desculpas

esfarrapadas, não!... Quem quer abandonar o vício tem que ser agora! Tem que

ser já! O senhor não está tendo força de vontade necessária! A mamãe me disse

que o senhor fuma há mais de quinze anos, dois maços de cigarros por dia! Veja

só quantos cigarros o senhor já fumou nesta vida!

É preciso parar papai! É preciso cuidar da saúde que Deus lhe deu!...

PAI –Se eu fumo há mais de quinze anos e ainda não morri!...

é por que o cigarro não é tão mal assim!....

FILHO – O senhor ainda não morreu, mas não está livre de surgir uma doença

brava a qualquer momento. Veja só que aconteceu com nossos amigos;  seu Luiz,

seu João, seu Antonio, seu Joaquim, seu Benedito, todos eles morreram por causa

do vício do cigarro!

PAI – O médico do Posto de Saúde me contou que seu Luiz morreu de Pressão

Alta; seu João de Derrame Cerebral; seu Antonio, de Infarto; seu Joaquim, de

Enfisema Pulmonar, sentindo muita falta de ar, e seu Benedito morreu de

Câncer... Então... o que o cigarro tem a ver com isso?

São doenças que atacam todo mundo!...

FILHO – O senhor é duro de entender, hein, papai!....Mas tenho absoluta

certeza de que o senhor não perguntou ao médico se o cigarro estava ligado à

aquelas doenças... Os livros explicam que quem fuma pode adquirir doenças e vir

a morrer de Pressão Alta; Derrame Cerebral; Infarto; Enfisema Pulmonar; Câncer 

e ainda outras doenças mais...

E aí o  senhor vai entender que esses nossos amigos morreram dessas doenças

porque fumaram durante muitos anos. A pessoa que tiver tendência para ter

essas doenças, o cigarro apressa o aparecimento delas e as agrava;e a pessoa

que não tiver tendência, o cigarro cria essas doenças e com o passar dos anos,  a

pessoa vem  sofrer muito e até a morrer!...

PAI – È verdade mesmo?

FILHO – Claro, Papai!... Se não fosse verdade, eu não falaria... e outra coisa: as

pessoas tem um costume muito ruim, que é... não ligar para as orientações que

são dadas para a gente cuidar bem da saúde. Muitos só vão se dar conta de que

descuidaram da saúde, quando estão muito doentes, em casa ou nos hospitais e

estão prestes a morrer. Mas aí já é muito tarde e não dá para voltar atrás....

De quem lamentar?

A quem acusar pelas enfermidades?

Só a eles mesmos. Isso é uma dura realidade que, para muitas pessoas, só a dor

e a enfermidade grave é que vão lhes dar o ensinamento.

PAI– A coisa é tão grave assim como você diz?

FILHO – Claro, Papai! Se não fosse verdade eu não estaria lhe dizendo tudo

isso!.. Quando vemos nos livros fotografias de exames feitos nos pulmões de

uma pessoa que fumou durante muitos anos, aparecem listas pretas nos

pulmões; é sinal de que ele já está danificado; em outras já estão deformados.

Não há o que negar, é uma realidade! Isso eu já aprendi lendo os livros e ouvindo

orientações dos professores.

PAI – Então...o cigarro é muito ruim mesmo! É um inimigo da nossa saúde?

FILHO – Claro, Papai! Eu nunca fumei e lhe garanto que com tudo o que aprendi,

jamais fumarei cigarro e que jamais usarei maconha, cocaína, crack ou outras

drogas; eu quero ter uma boa saúde!

PAI –Obrigado por você ter me orientado!  Estou jogando o meu cigarro no lixo!!

(amassa o papel que representava o cigarro, e joga-o no cesto de lixo) E de agora

em diante não vou  fumar mais! Nunca mais! Peça um livro emprestado na

biblioteca da sua Escola, e traga-o para eu ler; quero saber muito mais sobre

cigarro e outras drogas!

Alerte também crianças e jovens,  eles precisam saber sobre o mal que o cigarro

e também outras drogas fazem a  nossa saúde.

FILHO – Parabéns, Papai! É assim que se faz! Gostei muito da sua atitude!

O Proerd, os  Grupos de Apoio, e Instituições já estão alertando e orientando

crianças, adolescentes, jovens, enfim;  todas as pessoas sobre o mal que as

drogas fazem a saúde humana.

Eu também vou fazer a minha parte. Obrigado Papai!   

FIM

.